"Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las."
Voltaire

tradutor

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

DESTRUIÇÃO E INDIGNAÇÃO: PARQUE TAQUARAL

O Parque Taquaral junto com sua comunidade, terão problemas com as novas obras da Saneago em sua localidade. A Companhia responsável pela coleta de esgoto, vem construindo ductos e canaletas dentro do Parque Ecológico Taquaral. Para tanto, a estatal destruiu árvores nativas do cerrado que foram plantadas à época da criação do parque. Demonstrando, assim, um verdadeiro desrespeito com toda a população próxima.

O Parque Ecológico Taquaral (ou Parque Doracina dos Santos Soares) foi planejado durante o governo Pedro Wilson (PT), e executado por Íris Rezende (PMDB) em 2005. Projetado como espaço para lazer semanal à região Oeste de Goiânia e com localização entre a divisa das etapas do Residencial Goiânia Viva, possui 109655 metros quadrados de área (quase 12 campos de futebol), onde foram gastos R$ 800 mil provenientes do Fundo Municipal do Meio Ambiente. Mas, só pôde sair do papel, com a criação da Associação de Proteção e Defesa do Parque Taquaral (ASPRODESPAT) que preservaria a localidade, com apoio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMMA, hoje AMMA).

A ASPRODESPAT nasceu em 1996 para, enfim, concretizar seu trabalho somente em 2005. Contudo, a AMMA (Agência Municipal do Meio Ambiente), que tem a finalidade de formular, implementar e coordenar a execução da Política Municipal do Meio Ambiente voltada à sustentabilidade municipal, autorizou a Saneago a perfurar o terreno do parque. Este, que conta com uma ampla flora típica do cerrado – pata-de-vaca, guaçatonga, velame-branco, por exemplo – e diversas árvores frutíferas – goiabeiras, mangueiras, cajueiros, jabuticabeiras, angazeiros –, além de cinco mil novas espécies ali cultivadas.

A Constituição Brasileira diz que o Governo e a Sociedade devem dividir a responsabilidade pela preservação e conservação da natureza. Não é o que se tem visto por lá. Segundo a AMMA, serão replantadas todas as árvores após os perfuramentos e transtornos acometidos. Será que não percebem os transtornos efetivos para a população e a vida do córrego Taquaral? A destruição da vida do córrego, o comprometimento da saúde dos animais que lá residem e do provável mau-cheiro exalado na região, uma vez que o esgoto será despejado no rio...Problemas, estes, que tem solução viável. Porém, para eles, talvez, são mais chatos. Não deveria ser.

Por fim, é um ato com consequências drásticas a fauna e flora daquele microclima. Claro que a coleta do esgoto deve ser feita para evitar doenças ao homem, mas sem prejudicar a natureza. Há suporte para transportar tais resíduos por fora do Parque Ecológico, sem danificá-lo ou destruí-lo (como o que está ocorrendo). Se o Poder Público não cumpre com o seu dever tal como consta na Constituição, passa da hora do Judiciário intervir. O Parque e a população não podem esperar mais tempo.

ALGUMAS FOTOS DESSA TRISTE HISTÓRIA (fotos de 29/01/12):

CONTINUAÇÃO: MÁQUINAS DESTROÇAM PARQUE (fotos de 05/02/12):

VÍDEOS:

MORADORES PROTESTAM CONTRA OBRA DA SANEAGO:

PARQUE TAQUARAL: A BELEZA DE SUA NATUREZA:

2 comentários:

Rodrigo Daniel disse...

Esse é o preço do desenvolvimento em um país subdesenvolvido. As coisas são feitas de forma errada e os prejuízos serão vistos só no futuro.

Felipe Gonçalves disse...

Infelizmente Rodrigo.

Assim, temos que engolir rasgando as atitudes impensadas do Poder Público que não se preocupa com o bem estar social e natural do lugar.