"Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las."
Voltaire

tradutor

sexta-feira, 20 de abril de 2012

QUEM SÃO OS HERÓIS BRASILEIROS?


O Brasil possui inúmeros heróis além daqueles que figuraram no quadro da História nacional. Dia 21 de abril comemora-se a luta de um deles: Tiradentes. Mas até que ponto estes heróis nacionais são vivificados pelas pessoas nas mais variadas datas históricas do país? Qual é o dia do Índio, o dia do Negro, o dia do Trabalhador, que possua uma reflexão da situação pretérita? Não existe o reconhecimento do povo pelos heróis, e, por isso talvez, a “aparente” falta de apreço de muitos. É isso que os personagens do momento contradizem, tal como o ex-presidente Lula e o famoso Capitão Nascimento que incorporam fidedignamente a caricatura do povo.

Acusado de rebelar-se contra a Coroa portuguesa no século XVIII, o alferes do Regimento de Cavalaria de Vila Rica, Joaquim José da Silva Xavier – o Tiradentes, foi morto e esquartejado aos 46 anos de idade por defender o que achava ser o ideal mais importante para todo homem: sua Liberdade. Lutou pela independência do Brasil na taxada Inconfidência Mineira, a fim de extirpar de vez a exploração portuguesa. Devido as inúmeras manifestações sociais pelo mundo frente às Grandes Nações, Tiradentes e outros companheiros foram se inspirar nos ideais da Independência dos EUA (1776) e da Revolução Francesa (1789). Hoje Tiradentes é considerado o Patrono Cívico da Nação Brasileira.

Assim como Tiradentes, vários outros modelos de heróis saltam a nossa memória quanto aos interesses da cultura e população brasileira de um determinado espaço-tempo: Zumbi, Macunaíma(?), Frei Caneca, Antônio Conselheiro, Virgulino Ferreira(o Lampião), Getúlio Vargas, Capitão Nascimento, Lula. Nossos heróis são figuras míticas cheias de contrários no plano real e no plano fantasioso. Manipulados pelo poder, ou não precisamente, marcam presença exemplar em livros didáticos ou, emoldurados nas esculturas e avenidas públicas pelo país.

Contudo, não é herói somente aquele que ficou famoso pelas premissas da grande mídia. Também é herói todos aqueles que lutam pela defesa da vida, seja no trânsito, seja no trabalho voluntário, seja no progresso da sociedade. Inclusive aqueles que sofrem devido a debilidade pública – transportes, segurança, educação – e que ao fim do mês, recebem apenas o seu salário mínimo. Estes sim são heróis. Mais de 60% da população. Heróis anônimos do dia a dia que lutam pela ordem da Nação. Mas, como disse o psicanalista Jorge Forbes, será herói aquele que, frente à dúvida da escolha, fugir do padrão comum, preferindo o risco e a responsabilidade da invenção às soluções prontas. São esses heróis que pouco se veem todos os dias.

De certo modo, acreditar que o Brasil não teve ou têm heróis é, de fato, uma análise bem finita e imprecisa. Exemplos foram e podem ser citados. Talvez faltem sim, modelos de heróis no estilo hollywoodianos (como estamos acostumados), porém, estes, não perfazem a representação do povo brasileiro. A população deve perceber isso. E, dessa forma, proteger sua história e gente. Devemos pausar nossos relógios nessas datas e tentar compreender o seu real significado. Reavivar o espírito de cidadão-herói que defende e luta por sua pátria contra o preconceito, a desunião e a corrupção, com a mesma moral de Herói. Mesmo porque, se nós não damos valor no que é nosso, nenhum outro povo se sentirá obrigado a fazê-lo também.