"Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las."
Voltaire

tradutor

sexta-feira, 20 de abril de 2012

QUEM SÃO OS HERÓIS BRASILEIROS?


O Brasil possui inúmeros heróis além daqueles que figuraram no quadro da História nacional. Dia 21 de abril comemora-se a luta de um deles: Tiradentes. Mas até que ponto estes heróis nacionais são vivificados pelas pessoas nas mais variadas datas históricas do país? Qual é o dia do Índio, o dia do Negro, o dia do Trabalhador, que possua uma reflexão da situação pretérita? Não existe o reconhecimento do povo pelos heróis, e, por isso talvez, a “aparente” falta de apreço de muitos. É isso que os personagens do momento contradizem, tal como o ex-presidente Lula e o famoso Capitão Nascimento que incorporam fidedignamente a caricatura do povo.

Acusado de rebelar-se contra a Coroa portuguesa no século XVIII, o alferes do Regimento de Cavalaria de Vila Rica, Joaquim José da Silva Xavier – o Tiradentes, foi morto e esquartejado aos 46 anos de idade por defender o que achava ser o ideal mais importante para todo homem: sua Liberdade. Lutou pela independência do Brasil na taxada Inconfidência Mineira, a fim de extirpar de vez a exploração portuguesa. Devido as inúmeras manifestações sociais pelo mundo frente às Grandes Nações, Tiradentes e outros companheiros foram se inspirar nos ideais da Independência dos EUA (1776) e da Revolução Francesa (1789). Hoje Tiradentes é considerado o Patrono Cívico da Nação Brasileira.

Assim como Tiradentes, vários outros modelos de heróis saltam a nossa memória quanto aos interesses da cultura e população brasileira de um determinado espaço-tempo: Zumbi, Macunaíma(?), Frei Caneca, Antônio Conselheiro, Virgulino Ferreira(o Lampião), Getúlio Vargas, Capitão Nascimento, Lula. Nossos heróis são figuras míticas cheias de contrários no plano real e no plano fantasioso. Manipulados pelo poder, ou não precisamente, marcam presença exemplar em livros didáticos ou, emoldurados nas esculturas e avenidas públicas pelo país.

Contudo, não é herói somente aquele que ficou famoso pelas premissas da grande mídia. Também é herói todos aqueles que lutam pela defesa da vida, seja no trânsito, seja no trabalho voluntário, seja no progresso da sociedade. Inclusive aqueles que sofrem devido a debilidade pública – transportes, segurança, educação – e que ao fim do mês, recebem apenas o seu salário mínimo. Estes sim são heróis. Mais de 60% da população. Heróis anônimos do dia a dia que lutam pela ordem da Nação. Mas, como disse o psicanalista Jorge Forbes, será herói aquele que, frente à dúvida da escolha, fugir do padrão comum, preferindo o risco e a responsabilidade da invenção às soluções prontas. São esses heróis que pouco se veem todos os dias.

De certo modo, acreditar que o Brasil não teve ou têm heróis é, de fato, uma análise bem finita e imprecisa. Exemplos foram e podem ser citados. Talvez faltem sim, modelos de heróis no estilo hollywoodianos (como estamos acostumados), porém, estes, não perfazem a representação do povo brasileiro. A população deve perceber isso. E, dessa forma, proteger sua história e gente. Devemos pausar nossos relógios nessas datas e tentar compreender o seu real significado. Reavivar o espírito de cidadão-herói que defende e luta por sua pátria contra o preconceito, a desunião e a corrupção, com a mesma moral de Herói. Mesmo porque, se nós não damos valor no que é nosso, nenhum outro povo se sentirá obrigado a fazê-lo também.

8 comentários:

Anônimo disse...

Desculpe amigo, intendo seu ponto em dizer que os heróis do estilo hollywoodiano não representam o povo brasileiro, mas dizer que Tiradentes, Getúlio Vargas e Lampião foram heróis...ai é demais em...
Lampião era um ladrão, estuprador e sanguinário;
Getúlio, um ditador de extrema direita, instituiu a polaca, e tirou sarro da democracia...
Me lembro de Heróis nacionais como William Wallace ( interpretado por Mel Gibson em Coração Valente) e me reparo com a idéia que na nossa história não possuímos heróis que defendiam idéias na mais pura e corajosa forma...
Quem sabe um reflexo do comportamento da nossa população...
Triste...

Felipe Gonçalves disse...

Obrigado pelo comentário, caro Anônimo!

Pois bem, quando cito Virgulino, Getúlio Vargas ou Tiradentes como possíveis heróis nacionais de um passado recente, me refiro ao contexto social da época presentificando-os hoje.

Virgulino não era visto como "ladrão, estuprador e sanguinário" pelas pessoas de Serra Talhada que eram reprimidas pelo poder dos coronéis nordestinos. Era sim, visto como um "herói" que lutava e defendia-os, pois era gente como eles.

Getúlio não foi diferente. Possuía um espírito apaziguador que aparentava pensar nos pobres, daí o processo histórico encaixá-lo no populismo. Coadunar interesses políticos não é fácil até hoje... mas, concordo contigo: foi instituída a 'Polaca' em 37, de caráter fascista, e que deprimia a Constituição de 34.

Contudo, ficou o legado varguista: Salário Mínimo, Previdência Social, Direitos Trabalhistas e Sociais vivificados por nossa geração. Algo bem complicado de se conseguir antes de G.V., assim como a luta pela Independência de um país dominado por Elites. Tiradentes teve de lutar contra essas elites. E, tal como a personagem de sua lembrança - William Wallace - caro Anônimo, Tiradentes foi traído pelos seus companheiros. Assumiu sozinho a responsabilidade da rebelião mineira sendo considerado posteriormente o Patrono Civil do Brasil, conforme dita a historiografia.

De tudo, o centro da discussão não está em considerá-los explicitamente únicos representantes do caráter heroico brasileiro. Mas sim, em enxergar na pessoa que está ao nosso lado como a possível portadora deste predicativo tão honroso - ser Herói.

Perla disse...

Felipe
Adoreei a reflexão ...
Estava procurando exemplos brasileiros de coragem e luta ...
Obrigada acrescentou na minha pesquisa ... Valeu

Felipe Gonçalves disse...

Obrigado Perla pelo carinho!

Espero muito ter te ajudo de alguma forma!

Dan Pericles disse...

Cara isso mesmo! Falou como um verdadeiro Brasileiro. Chega de só olhar e dar aplausos para produtos estrangeiros e ícones estrangeiros. Vamos lá O gigante acordou!

Felipe Gonçalves disse...

Obrigado Dan pela sua colaboração!

Concordo plenamente em acabarmos de vez com essa exaltação aos valores externos. Temos muita coisa boa aqui dentro, mas as pessoas não conseguem enxergar isso. Precisamos mostrar que também somos bons e, porque não, até melhores que "os lá de fora".

André Luiz Vieira disse...

Caro Felipe, infelizmente devo descordar de ti, Tiradentes não pode ser considerado herói brasileiro e sim um mercenário.
A causa raiz de sua luta não foi pela independência do Brasil e sim pela cobrança indevida do "quinto", que era realizada por Portugal.
Ele fazia parte da elite da época, participava da maçonaria, classe que sempre esteve no poder no Brasil e nunca fez nada pelo nosso povo e por eles Tiradentes foi traído covardemente, pagando assim o seu preço.

Herói foi Placido de Castro, Felipe Camarão, Caxias, Maria Quitéria, Zumbi dos Palmares, Chico Mendes, entre outros...

André Luiz Vieira
engandrelvms@gmail.com

BRASIL ACIMA DE TUDO, ABAIXO DE DEUS...

Felipe Gonçalves disse...

Olá, André! Muito obrigado pelo seu comentário!

Então, quando vemos de forma mais restrita o termo "herói" sendo dirigido a Tirantes, pode soar estranho quando analisamos superficialmente essa designação devido sua classe abastada. Mas isso não significa, genericamente, que ele não lutou pelo país.

Como você mesmo disse, uma das lutas dele era contra o "quinto", imposto que imperava durante aquele ciclo do ouro. Imposto esse que era cobrado (assim como a derrama) e levado para Portugal. Todos os dependentes da mineração eram contra pagar tal imposto. Entretanto, como acabar com ele? Expulsando os portugueses do Brasil, reivindicando a Independência! Daí a Inconfidência Mineira...

A Província precisava de autonomia frente a Metrópole, uma vez que não se podia fazer nada: nem investir na construção de indústrias nem desenvolver o comércio local. Tudo porque não havia uma Constituição. Assim, buscar a libertação do Brasil diante a monarquia portuguesa era a solução para acabar de vez com a opressão de impostos.

Ninguém quer pagar caros impostos (como no caso) para não receber nada em troca... vemos o nosso Presente sendo o exemplo... dessa forma, dizer que Tiradentes é ou não um herói para a nação depende do seu raciocínio: ou averiguar os fatos com o olhar do século XVIII ou julgá-los com o olhar do século XXI.